20 de outubro de 2010

Apenas Mudanças

                                                           we're fated to pretend
                                                                                MGMT

    Ela muda o corte de cabelo, e o pinta de uma nova cor, mais clara, com algumas luzes. Vai ao shopping, compra roupas novas, arrisca com coisas que não usaria nunca, antes, e muda quase metade do guarda-roupa. Descobre uma cafeteria simpática, começa a frequentar toda semana, as vezes sozinha, as vezes não. Passa a usar alguns colares e pulseiras novas, com miçangas e pedrinhas coloridas, reminiscências de uma feira hippie. Para de fotografar, extermina as pretensões e se contenta com a câmera como hobbie. Faz mais uma nova melhor amiga de infância, troca confidências renovadas, estabelece novos laços de afeto.
    Ele faz uma nova tatuagem, maior que a anterior, mais colorida que a anterior. Troca alguma cadeiras da faculdade, arrisca uma novas, abandona tantas outras. Passa a fumar também quando sóbrio, ao contrário dos hábitos e conceitos anteriores. Apaga, do computador e do Ipod, uma porção de músicas, discos pra nunca mais de ouvir. Em compensação, conhece tantos outros, vira fã de bandas nunca ouvidas antes. Vai a novas festas, alguma nem tão legais assim, mas não consegue mais ficar em casa.
E quando os amigos lhes perguntam “tudo bem?”, sorriem com todos os dentes bem brancos, dizem que sim, que está tudo tranqüilo.
    Mentem.
    Mentimos.

14 comentários:

  1. Amei. A forma de escrever juntamente com o conteúdo fazem desse texto encantador.

    ResponderExcluir
  2. Trocar de pele, mentir pra si mesmo... Típico do ser humano.
    Adorei o texto :)

    ResponderExcluir
  3. Descrição perfeita dos últimos meses que eu lembro ter vivido, tirando a tatuagem, porque eu tenho medo de agulha.
    curti seu blog, você escreve muito bem, algo de substancial que eu ainda não consegui identificar.

    ResponderExcluir
  4. as vezes precisamos mudar não para superar, mas para nos encontrar. a outra parte, deixamos a cargo do tempo.
    e este as vezes demora a aparecer.
    gostei (:

    ResponderExcluir
  5. Imagina! Eu adoro ouvir tuas valsas, aliás, já estou com saudade delas... Obrigada por fazer parte da minha estante virtual, e pelos comentários tambem.
    E, deixando de lado esse vocabulário bonitinho e educado, você é foda, man.

    ResponderExcluir
  6. Melhor acreditar duma vez ou vai sofrer ao me pedir pra parar toda vez que eu resolver jogar umas verdades por aqui hahaha. Falo sério.
    Espero que encontre objetos de inspiração, adoro poder te ler, buddy.

    ResponderExcluir
  7. Hahahaha muito obrigada. Depois dessa só falta me tirar pra dançar uma das tuas valsas. Seria uma honra. Para mim, claro, não para os teus pés.
    E pode deixar, eu não uso vestido de seda. Nada de rasgos (e essa tentativa de ser engraçada foi uma merda).
    Enfim, na verdade eu nem uso vestido, sou uma menininha com bolas. Espero que isso não te assuste.

    ResponderExcluir
  8. E se tivesse te assustado, que reclamasse com a Clarah Averbuck. Foi dela que tirei essa expressão, não levo o crédito nem a culpa hahaha.

    ResponderExcluir
  9. a gente se habitua a dizer tudo bem, e às vezes até se convence por algum tempo. aí, em algum momento, alguma coisa, uma lembrança, uma música, um lugar, um fato, algo nos lembra que a coisa não é bem assim. tu anda inpirado, leke.

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bom?
    Vi seu blog na comunidade "Escritores de gaveta" e achei muito interessante.
    Comecei um blog tbm, se puder e não for pedir muito, de uma passadinha no meu?

    http://cabecafeminina.blogspot.com/

    Muuito obrigada e parabéns pelo blog!!!!

    ResponderExcluir
  11. Mentiras nossas que são contadas para nós mesmos.
    Gostei do blog, vou acompanhar =)

    ResponderExcluir
  12. É quase involuntária essa convicção de que fingir que tudo está bem fará com que as coisas, de fato, fiquem bem. Uma pegadinha de nós para nós mesmos. E vivemos caindo.

    ResponderExcluir